fbpx

Alfabetização

O Instituto Ayrton Senna desenvolveu soluções educacionais comprometidas em garantir que os estudantes aprendessem a ler e escrever e também se coloquem na sociedade como cidadãos plenos.

5 MIN
12 dez 2023
Instituto Ayrton Senna Instituto Ayrton Senna

Navegue por aqui

Além da leitura e escrita, competências pra vida

A alfabetização sempre foi uma questão importante na educação brasileira, e o país segue com desafios em garantir o direito básico de que toda criança saiba ler e escrever até os oito anos de idade. Para além das habilidades de leitura e escrita, também passou a ser fundamental, especialmente após a pandemia, o desenvolvimento de competências para a vida ao longo da etapa de alfabetização. 

A alfabetização para o Instituto Ayrton Senna

O Instituto Ayrton Senna olha para a alfabetização dentro da estratégia de promoção de aprendizagem integral, olhando o estudante em todas as suas dimensões, durante esta fase do seu desenvolvimento. Essa missão se alinha com a atuação da organização, desde sua criação, de promover oportunidades para desenvolver o potencial de estudantes e educadores de forma plena e em larga escala.

A organização acredita que uma proposta de alfabetização comprometida com a educação integral parte de uma perspectiva de política pública ancorada em processos de gestão, que têm como objetivo promover a aprendizagem dos estudantes em conjunto com a integração das áreas de conhecimento a partir de múltiplas linguagens e com o desenvolvimento das competências socioemocionais.

Pilares da Alfabetização

Independentemente do método ou programa escolhido para alfabetizar os estudantes em uma rede de ensino, o Instituto acredita que há algumas premissas essenciais para que a etapa de alfabetização de fato crie oportunidades para que a criança esteja de fato preparada para seguir com sua escolarização. 

Assim, é preciso olhar para a alfabetização como foco de uma política pública específica de cada rede, entendendo que não se trata somente de um programa pontual, mas sim de um compromisso permanente e com plano de ação e objetivos claramente definidos. Entre algumas das ferramentas fundamentais para este processo está uma atenção específica para os tempos de aprendizagem, diagnósticos, planos de ação, formação para os professores alfabetizadores e monitoramento sólido e compatível com as ações executadas. 

É preciso, portanto, oferecer ferramentas para que cada gestor, coordenador pedagógico ou professor possa construir suas políticas, planos, metas, e práticas do processo de alfabetização. Para apoiar a comunidade escolar nessa missão, o Instituto Ayrton Senna oferece programas de alfabetização desenvolvidos para atender às diferentes realidades das escolas brasileiras. 

Histórico dos projetos de alfabetização

Em 1992, cerca de 25% das crianças de até 8 anos no Brasil ainda não sabiam ler. Partindo deste problema, ao nascer, em 1994, o Instituto Ayrton Senna dedicou seus primeiros anos de atuação a buscar soluções para este desafio.

Além deste dado alarmante, o primeiro diagnóstico realizado pela equipe, ainda em meados da década de 1990, jogou luz sobre a gritante distorção idade-série (estudantes com dois ou mais anos de atraso em relação à série que deveriam cursar segundo sua idade) em todo Brasil, e sua relação com o analfabetismo. Embora esse desafio já estivesse no dia a dia de muitas escolas, os amplos levantamentos de dados e estudos do Instituto contribuíram para que o tema ganhasse relevância nacional.

Nos primeiros anos em ação, o Instituto atuou com enfoque mais explícito no desenvolvimento cognitivo e da visão sistêmica sobre a educação de qualidade e em larga escala, por meio de ações de gestão, mas sempre pautado pela perspectiva da educação integral dos estudantes. Para combater esses desafios, foram criadas duas soluções educacionais, que mais tarde viraram referências em alfabetização no Brasil. 

Em, 1997, o programa Acelera Brasil foi criado para promover a recuperação da aprendizagem de alunos com distorção idade-série matriculados do 3º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Na implementação dessa proposta, um novo problema foi identificado: alguns estudantes não conseguiam acompanhar o programa, pois não sabiam ler e escrever.

Assim, em 2001, surgiu o Se Liga, que se consagrou como um programa de alfabetização que leva às escolas uma dinâmica escolar pautada na educação integral do aluno, na qual ele é estimulado não apenas em suas capacidades cognitivas, mas também nas habilidades socioemocionais, como comunicação, colaboração, autoeficácia, autogestão, o que contribui para a formação de cidadãos aptos para superar os desafios do século 21. 

Além de atingir índices de alfabetização que chegam a 95%, a proposta promove o vínculo afetivo e valoriza o acolhimento entre professor e aluno, indispensável para a aprendizagem.

Conheça mais sobre os dois programas de alfabetização: 

Outras iniciativas de alfabetização

Com o objetivo de levar conhecimentos e práticas sobre alfabetização para todos os educadores interessados, o Instituto Ayrton Senna também lançou jornadas formativas sobre o tema na humane, sua plataforma digital de desenvolvimento de educadores. 

O ambiente online traz cursos gratuitos e com certificado sobre o tema, guias para a gestão da aprendizagem dos estudantes e materiais de referência.

Acesse os conteúdos de alfabetização na humane aqui. 

Instituto Ayrton Senna
Instituto Ayrton Senna Organização sem fins lucrativos comprometida com a educação
Aguarde