fbpx

Alfabetização no século 21: abordagens e desafios atuais

Junte-se a nós na jornada de descoberta e compreensão da alfabetização no século 21, descobrindo as abordagens e desafios da educação

12 MIN
20 nov 2023
Instituto Ayrton Senna Instituto Ayrton Senna

Navegue por aqui

A alfabetização no século 21 desempenha um papel indispensável na vida das crianças por ser um importante passo rumo ao desenvolvimento de diversas linguagens e início do processo de letramento. Neste artigo, exploraremos as abordagens usadas na alfabetização e os desafios que enfrentamos atualmente na educação.

A alfabetização evoluiu ao longo dos anos, passando de um foco no fonema para uma abordagem mais abrangente, que considera o contexto do texto e também as vivências do aluno. No entanto, ainda há muito a ser feito para alcançar plenamente os objetivos de alfabetizar todas as crianças.

Junte-se a nós nesta jornada de descoberta e compreensão da alfabetização no século 21. Dessa forma, podemos explorar as abordagens, superar os desafios e proporcionar uma educação de qualidade às nossas crianças.

A importância da alfabetização na formação integral do indivíduo

A habilidade de ler, escrever e calcular é um marco na vida de uma criança, moldando seu presente e determinando seu futuro. Por isso, a alfabetização está intrinsecamente ligada a questões mais abrangentes no processo educacional. 

Ler e escrever com competência e compreensão é a chave para o acesso a inúmeras habilidades e conhecimentos fundamentais. Isso permite a superação de barreiras culturais, econômicas e sociais, sendo um passo fundamental para a criança permanecer na escola e aprender com qualidade.

Apesar dos avanços no acesso à educação no Brasil desde meados dos anos 1990, ainda há desafios significativos na qualidade da educação. Estes são refletidos nas altas taxas de abandono escolar e na distorção idade-série. Além desses problemas, a qualidade da aprendizagem também deve ser olhada. 

Em 2021, 2,8 milhões de crianças concluíram o 2º ano do Ensino Fundamental. Entretanto, dados do INEP revelam que 56,4% dos alunos foram considerados não alfabetizados no Saeb 2021, ou seja, não concluíram uma jornada autônoma no mundo da alfabetização. O Brasil ficou apenas à frente de 5 países na Avaliação Internacional de Alfabetização, aplicada em 65 nações (PIRLS 2023).

O resultado é uma realidade preocupante, consequente dos baixos níveis de aprendizagem ao longo dos anos escolares: o chamado “analfabetismo funcional”. Ou seja, indivíduos cujo nível de leitura e escrita não atende às demandas diárias nem permite uma participação cidadã eficaz na construção social.

A alfabetização também desempenha um papel importante na integração das áreas do conhecimento durante a jornada educacional. 

Com base nos atuais documentos legais, a sociedade brasileira se compromete a assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos, um processo que deve ser iniciado ainda na pré-escola. Isso envolve a aquisição progressiva das competências leitoras e escritoras, permitindo que todas estejam preparadas para uma vida escolar bem-sucedida.

Compromisso Nacional Criança Alfabetizada

O Compromisso Nacional Criança Alfabetizada, lançado pelo Ministério da Educação (MEC) em 12 de junho, representa uma abordagem significativa para a alfabetização no Brasil. Estabelecendo uma parceria entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios, a iniciativa aspira garantir que 100% das crianças estejam alfabetizadas até o final do 2º ano do Ensino Fundamental.

Além da meta de alfabetização, o compromisso visa a recomposição de aprendizagens, com ênfase na alfabetização, abrangendo todas as crianças matriculadas no 3º, 4º e 5º ano. Isso reflete a busca por uma educação mais inclusiva e eficiente, visando não apenas o ensino inicial, mas também a contínua consolidação das habilidades de leitura e escrita ao longo dos primeiros anos escolares.

A colaboração entre os diversos níveis governamentais destaca a importância da união de esforços para atingir metas ambiciosas na área da educação. O Compromisso Nacional Criança Alfabetizada redefine as expectativas para a alfabetização e representa um comprometimento coletivo em proporcionar uma base sólida para o desenvolvimento educacional das crianças brasileiras.

Entretanto, esse compromisso não implica em um início formal e sistematizado da alfabetização desde a Educação Infantil, mas em um trabalho baseado em leitura, jogos e brincadeiras que são precursores da alfabetização. Isso inclui atividades como o reconhecimento de rimas e sons, identificação de letras e seus sons, conforme previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A alfabetização, quando concebida e implementada como política pública, deve ser vista como um processo contínuo, integrado a outras esferas do governo.

Para obter resultados eficazes, é necessário estabelecer processos de gestão transparentes e objetivos. Eles permitem a geração contínua de novas evidências, a melhoria constante das políticas em relação a documentos e materiais de referência, sistemas de monitoramento e avaliação, e, acima de tudo, aprimoramento dos educadores. 

Os professores, por sua vez, podem e devem se transformar em uma equipe de profissionais especializados em alfabetização, preparados para alfabetizar pessoas de todas as idades que ainda não dominam o sistema de escrita alfabética.

Além disso, é imperativo que as práticas e os conhecimentos relacionados à alfabetização, incluindo as contribuições das neurociências, sejam discutidos e compartilhados pelas equipes escolares e pelas secretarias de Educação.

As novas tecnologias na alfabetização 

Uma aluna está lendo um livro sobre alfabetização no século 21 fora da sala de aula

Uma aluna está lendo um livro sobre alfabetização no século 21 fora da sala de aula

No cenário atual, em que os estudantes são nativos digitais, abordagens inovadoras na educação desempenham um papel essencial na adaptação a essa nova realidade tecnológica. Elas visam fomentar que os alunos aprendam a aprender, por meio de experiências e experimentos, incentivando ativamente sua participação no projeto pedagógico.

É relevante destacar que as práticas inovadoras na alfabetização vão além do mero uso de recursos tecnológicos. Elas representam uma sinergia entre Metodologia, Tecnologia e Conteúdo. Isso implica em personalizar o ensino-aprendizagem, considerando o contexto específico de cada ambiente educacional.

Na prática, essas tendências se manifestam como uma flexibilização do processo de aprendizado, permitindo que os alunos moldem sua abordagem individual de estudo e aprendizagem, descobrindo formatos mais eficazes para a construção de seu próprio conhecimento.

Apesar da tecnologia ser muito relevante, ela não é o meio principal de alfabetização das crianças, que aprendem primordialmente na troca com os seus professores e colegas. Por isso, é fundamental que as novas tecnologias sejam um apoio a uma estratégia de alfabetização, mas não o único recurso utilizado.  

Abordagens de alfabetização 

Dentro do contexto da alfabetização, é vital adotar abordagens inovadoras que não se restrinjam ao simples ensino de leitura e escrita, mas que abranjam o desenvolvimento integral das crianças.

Conheça algumas das abordagens de alfabetização mais disseminadas e implementadas nas escolas:

Abordagem fônica

A abordagem fônica na alfabetização concentra-se na associação entre letras e sons. Ela ensina as crianças a reconhecerem os sons individuais das letras e combinar esses sons para formar palavras.

Nesse método, a ênfase está na decodificação fonética, ajudando os alunos a desenvolverem habilidades de leitura ao compreenderem a relação entre grafemas (letras) e fonemas (sons). A abordagem fônica é conhecida por ser sistemática e sequencial, proporcionando uma base sólida para a compreensão da linguagem escrita.

Abordagem construtivista

A abordagem construtivista na alfabetização, inspirada nas ideias de teóricos como Jean Piaget e Paulo Freire, enfatiza a construção ativa do conhecimento pelo aluno. Ela parte do princípio de que as crianças constroem seu entendimento do mundo por meio de interações sociais e experiências práticas.

No contexto da alfabetização, essa abordagem valoriza a compreensão do significado das palavras e textos, incorporando a leitura e a escrita no contexto das experiências de vida do aluno. O professor atua como facilitador, promovendo a reflexão e a discussão para estimular o pensamento crítico e a participação ativa do aluno no processo de aprendizagem.

Ambas as abordagens têm méritos distintos, e a escolha entre elas muitas vezes depende das características individuais dos alunos, do contexto educacional e das preferências pedagógicas dos professores. O importante é reconhecer que não há uma abordagem única e correta, mas sim a necessidade de adaptação às necessidades específicas de cada criança, promovendo, assim, uma educação mais inclusiva e personalizada.

Alfabetização em outras linguagens 

Uma proposta inovadora na alfabetização vai além da mera transmissão de conhecimento. Deve ser um momento dedicado não apenas ao aprendizado da leitura e escrita, mas também ao desenvolvimento de outras linguagens fundamentais, como a corporal, musical, artística, motora e a inteligência emocional.

A alfabetização, nesse sentido, torna-se um processo onde cada faceta do desenvolvimento infantil é cuidadosamente considerada.

Ao integrar atividades que promovam a expressão corporal, a apreciação musical, a criatividade artística e o fortalecimento emocional, os educadores garantem que a alfabetização seja funcional e enriquecedora para o desenvolvimento global da criança.

Essa abordagem reconhece a diversidade de estilos de aprendizagem e ritmos individuais, proporcionando um ambiente de aprendizado inclusivo. Olhar para a alfabetização como um processo mais amplo contribui para a formação de indivíduos mais completos e preparados para enfrentar os desafios educacionais e sociais ao longo de sua jornada escolar.

Desafios da alfabetização em um mundo tecnológico

Um menino está usando um laptop em uma sala de aula para alfabetização.

Um menino está usando um laptop em uma sala de aula para alfabetização.

Em um cenário cada vez mais digital, a alfabetização se depara com desafios significativos e transformadores. A introdução de ferramentas digitais nas salas de aula tem modificado profundamente o processo de aprendizagem inicial, promovendo alterações na maneira como as crianças absorvem conhecimento.

Com as novas gerações crescendo imersas no mundo digital, torna-se imprescindível que a educação esteja em sintonia com essa realidade em constante evolução.

As inovações tecnológicas desempenham um papel essencial em uma educação mais alinhada às necessidades dos estudantes contemporâneos.

Embora a integração de computadores, tablets e smartphones na sala de aula seja desafiadora, ela também traz recompensas. As crianças já estão familiarizadas com esses dispositivos em casa, estabelecendo uma conexão com o mundo que conhecem fora da escola.

No entanto, é fundamental destacar que, nesta fase da alfabetização, a tecnologia deve ser considerada um apoio e recurso útil. O foco principal reside na interação entre professor e aluno, família e aluno, por ser nesse diálogo que ocorre o aprendizado.

A tecnologia, nesse contexto, desempenha um papel secundário, sendo um suporte para atividades como jogos e aplicativos que auxiliam na formação de palavras, letras e pequenas leituras. Vale ressaltar que ela não deve substituir as interações humanas essenciais.

Nessa faixa etária, o uso da tecnologia concentra-se mais em ferramentas que colaboram com a formação linguística, não priorizando necessariamente a pesquisa e o acesso ao conteúdo online. Essa abordagem tem em vista preservar o equilíbrio entre o avanço tecnológico e a importância insubstituível da interação humana no processo educacional inicial.

O papel do Instituto Ayrton Senna na alfabetização de qualidade no Brasil

O Instituto Ayrton Senna desempenha um papel fundamental na promoção da alfabetização de qualidade no Brasil. Com seu compromisso de criar oportunidades de desenvolvimento humano, o Instituto possui uma longa caminhada, de quase 30 anos, com o desenvolvimento de projetos de alfabetização, que já chegaram a milhões de estudantes brasileiros. 

Entre as características mais fortes dos programas do Instituto, estão a valorização de ferramentas de gestão da aprendizagem. Bem como as oportunidades para o desenvolvimento dos educadores e um olhar integral para os estudantes ao promover todas as suas competências.

Para compartilhar essa expertise com educadores de todo o país, o Instituto acaba de lançar a Trilha Alfabetização. Ela é uma iniciativa que aborda a alfabetização do século 21 e traz novas perspectivas sobre o tema. 

A Trilha Alfabetização é um percurso de aprendizado abrangente, composto por quatro módulos, totalizando seis horas de conteúdo educacional. A grande inovação é que todo o programa é online e totalmente gratuito, tornando o acesso ao conhecimento mais inclusivo do que nunca. Os primeiros módulos já estão disponíveis na Humane, plataforma digital de desenvolvimento de professores do Instituto. 

Clique aqui para acessar a Trilha

Os participantes que concluírem com êxito os módulos receberão uma certificação oficial reconhecendo suas conquistas.

O primeiro módulo, intitulado “Histórico das políticas públicas e o cenário atual”, já está disponível para acesso. Nele, os participantes têm a oportunidade de mergulhar no contexto histórico das políticas públicas de alfabetização, compreendendo a evolução que levou às estratégias de alfabetização atuais.

Esse conhecimento é essencial para compreender o panorama educacional e a importância das políticas públicas no processo de alfabetização.

Para os que desejam aprofundar ainda mais seus conhecimentos no campo da alfabetização e educação, o segundo módulo, “Conceitos e Estratégias de Alfabetização”, estará disponível a partir de 14 de novembro, em celebração ao Dia Nacional da Alfabetização no Brasil.

Com a Trilha Alfabetização, o Instituto Ayrton Senna está colaborando para a melhoria da qualidade da alfabetização no país, capacitando indivíduos e fortalecendo o sistema educacional brasileiro. Junte-se a essa jornada de aprendizado e descoberta, e faça a diferença na promoção da alfabetização de qualidade no Brasil.

Instituto Ayrton Senna
Instituto Ayrton Senna Organização sem fins lucrativos comprometida com a educação

Deixe um comentário e
compartilhe sua avaliação
sobre o conteúdo.

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Comentários (1)
  • letizia Aparecida Cecconi Pedroso disse:
    Aprecie muito este artigo, pois nos posiciona sobre a realidade sobre a alfabetização brasileira, onde estamos e aonde teremos que chegAR.é um desafio muito grande, principalmente, nas escolas Públicas onde o recurso ainda é precário: giz e lousa, infelizmente contradizento a era digital que estava vivendo. a alfabetização é um desafio do aluno quanto do professor.no entanto, para nós, professores que somos apaixonados pela educação , desistir nunca foi o foco.
    , nós
Aguarde