O DESENVOLVIMENTO SOCIOEMOCIONAL DOS ESTUDANTES EM SALA DE AULA

Confira dicas sobre como desenvolver as competências socioemocionais dos estudantes em sala de aula. Saiba mais em conteúdo especial do Instituto Ayrton Senna:

O trabalho com as competências socioemocionais na escola, alinhado à visão de educação integral presente na BNCC, é um caminho potente para impulsionar fatores fundamentais ao desenvolvimento do estudante, como aprendizagem, pertencimento escolar, saúde mental, entre outros.  E para se concretizar, é preciso que ele aconteça em todas as esferas: da política educacional desenhada no nível de redes de ensino, passando pelas escolhas específicas e locais realizadas por cada comunidade escolar, chegando ao dia a dia na sala de aula.

Professor, acreditamos que o autoconhecimento e desenvolvimento socioemocional também são fundamentais para todos os educadores. Conheça nosso ambiente digital de desenvolvimento 

Sendo institucionalizada de forma abrangente em políticas públicas, a educação integral precisa estar incorporada também nas práticas que são implementadas diretamente entre professores e suas turmas, fazendo da sala de aula o local mais potente para as iniciativas que de fato aterrissam a visão de educação integral e garantem a incorporação da dimensão socioemocional ao dia a dia. Os professores têm um papel central neste desenvolvimento, já que são os gestores do planejamento de cada turma e os principais mediadores da aprendizagem de componentes curriculares. Para além da fragmentação curricular, é na sala de aula que professores podem, em conjunto, planejar e implementar projetos, espaços e tempos que garantam excelentes oportunidades de desenvolvimento

CAMINHOS PARA TRABALHAR COM AS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

Existem diversas abordagens e práticas que podem apoiar o desenvolvimento de competências socioemocionais na escola. Neste trabalho, é essencial que cada professor desenhe suas próprias propostas com autonomia, dado que é ele quem melhor conhece as características específicas de sua turma e do contexto em que atua.

Entretanto, a diversidade de propostas e abordagens pode ter como base alguns elementos em comum. O Instituto Ayrton Senna trabalha com o modelo SAFE (veja abaixo) como um conjunto de pilares que devem ser considerados em qualquer formato de implementação, seja em ações incorporadas aos componentes curriculares tradicionais (duplo foco), seja em componentes específicos com foco no socioemocional.

Conheça mais a seguir: 

SAFE

O acrônimo SAFE – Sequencial, Ativo, Focado, Explícito – é uma representação de características essenciais a toda abordagem de desenvolvimento socioemocional no contexto escolar. Ainda que existam outras maneiras de promover as competências de estudantes, o processo é mais eficaz e o resultado mais potente quando se incorporam, com intencionalidade, os seguintes preceitos:

Sequencial

Atividades sequenciais e coordenadas de maneira intencional para promover o desenvolvimento de competências socioemocionais. Temas complexos podem ser divididos em tópicos e trabalhados, um de cada vez, em atividades próprias, mas que seguem uma lógica e se reforçam mutuamente. É importante que os estudantes percebam que as competências não são um tema “raro” ou valorizado apenas em uma única aula e resgatado eventualmente, mas sim que integram os objetivos de aprendizagem de forma consistente e como parte da rotina e dos objetivos do itinerário formativo.

Ativo

Atividades que utilizam metodologias ativas para proporcionar aos estudantes oportunidades para exercitarem as competências socioemocionais. Estimula-se que participem de forma ativa durante o aprendizado, de modo que vivenciem aquilo que se busca desenvolver. Isso pode se dar por meio de inúmeras práticas pedagógicas, por exemplo, de discussões e debates entre os alunos em sala, atividades em grupo, produção de projetos, ou outras atividades que demandem deles uma ação.

Focado

Atividades desenhadas para desenvolver uma ou um grupo definido de competências socioemocionais como principal objetivo. É preciso ter foco em determinadas habilidades para que se possa aprendê-las com efetividade. Sendo assim, ao invés de propostas abertas demais, que abracem muitas competências, é preferível o desenho de atividades direcionadas a habilidades bem delimitadas. Entretanto, isso não significa que não deva existir um projeto pedagógico que, no conjunto de suas atividades, procure desenvolver um número maior e mais diversificado de competências.

Explícito

Quando o professor tem clareza das competências socioemocionais que pretende desenvolver em uma sequência didática e quando os estudantes também sabem o que está sendo desenvolvido, os resultados tendem a ser mais efetivos e são generalizados com mais facilidade.

PROJETO DE VIDA

As competências socioemocionais podem ser abordadas em componentes curriculares específicos dedicados ao autoconhecimento e reflexão dos estudantes, como no de Projeto de Vida. Já garantido na BNCC como um direito de desenvolvimento dos jovens, o Projeto de Vida pode ser compreendido como o propósito pessoal que faz com que alguém se engaje com empenho em seu cotidiano. Ele está relacionado ao autoconhecimento e à projeção de um objetivo de médio ou longo prazo para a vida do estudante. Entretanto, mais do que pensar em sonhos e falar sobre o futuro, o componente curricular de Projeto de Vida e abordar diversos aspectos da vida do jovem, construindo pontes entre o hoje e o amanhã. 

Neste ambiente de reflexão, o professor pode abordar as competências socioemocionais dos estudantes de modo articulado aos temas relacionados à construção da identidade e de projeto de sociedade.  É fundamental a problematização acerca dos modos dos estudantes de ver e conceber a si mesmos, os estudos, a vida familiar e o mundo do trabalho. Sendo assim, a aula de Projeto de Vida pode dar novos sentidos a como cada estudante pensa, sente e atua nas dimensões pessoalsocialacadêmica e profissional.

DUPLO FOCO

Além dos novos componentes específicos que as escolas e redes de ensino têm aberto em seus currículos com olhar focado nas competências socioemocionais , é importante lembrar que elas  podem ser fortalecidas em aulas de todas as áreas do conhecimento. Neste caso, o desenvolvimento socioemocional acontece de modo articulado às habilidades específicas dos componentes curriculares. É possível realizar uma aula de matemática, por exemplo, em que os estudantes colocam em prática competências como o foco e a persistência para resolver problemas complexos. Em uma outra oportunidade, pode-se abordar competências como curiosidade para aprender ao propor uma pesquisa sobre história, por exemplo, ou promover a iniciativa social em atividades que promovam a interação entre os estudantes, como em educação por projetos

Para articular o desenvolvimento socioemocional aos objetivos de aprendizagem do componente curricular, é necessário considerar:  ​​

Sensibilização e autoavaliação

É a apresentação da competência socioemocional que será foco de desenvolvimento daquela aula ou atividade. Neste momento, também é recomendado fazer um levantamento do conhecimento prévio da turma sobre a competência e como ela se expressa em seu dia a dia. ​

Desenvolvimento e acompanhamento

É a participação dos estudantes nas atividades propostas, por meio de metodologias ativas. Também é o momento de acompanhamento sobre como os jovens estão mobilizando a competência ao longo da atividade. ​

Autoavaliação final e registros

É o momento em que os estudantes devem exercitar a autoavaliação, que pode ser oral e compartilhada, sobre seus avanços, aprendizagens e pontos de melhoria e registros

IDEIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

Disponibilizamos abaixo conteúdos e atividades que podem ampliar o entendimento sobre o que são as competências socioemocionais e como elas podem ser promovidas na sala de aula. Confira:

Confira materiais sobre cada macrocompetência:
Resiliência emocional
Download
Abertura ao novo
Download
Autogestão
Download
Amabilidade
Download
Engajamento com os outros
Download
VER MAIS
Clique aqui para conhecer outros materiais e conteúdos do Instituto