Volta ao Novo leva competências socioemocionais às redes estaduais

Iniciativa, em parceria com o Consed, compartilhou conhecimentos sobre o tema com educadores de todo o Brasil.

Devido à crise causada pela pandemia da covid-19, escolas, educadores, famílias e estudantes se depararam com uma situação jamais vivenciada, e o que parecia algo a se pensar apenas no futuro, se tornou realidade em questão de dias. Educadores e estudantes foram desafiados a ensinar e aprender a partir de aulas remotas, sem perder o engajamento com a escola e o comprometimento com o desenvolvimento pleno de cada um. Neste cenário, muitos educadores do país passaram a demandar mais apoio das suas redes de ensino, especialmente em relação ao seu bem-estar emocional.

Olhando para os desafios dos profissionais de educação neste momento, o Instituto Ayrton Senna e o Consed lançaram o Programa Volta ao Novo, iniciativa que levou aos professores conteúdos sobre as competências socioemocionais por meio de lives nas redes sociais, materiais de apoio e encontros online exclusivos com profissionais das secretarias estaduais de educação de todo o Brasil. Mais de 100 mil pessoas acompanharam as lives, quase 35 mil fizeram download dos materiais em PDF e cerca de 50 profissionais de educação de todos os cantos do Brasil participaram de encontros exclusivos.

Ainda no começo do período de quarentena, o Instituto Ayrton Senna foi provocado pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) a levar seu conhecimento sobre o tema, construídos ao longo dos seus 25 anos de história e atuação, a educadores e famílias de todo o país. No lançamento da parceria, Viviane Senna, presidente do Instituto, ressaltou a urgência de se iniciar a discussão sobre o desenvolvimento socioemocional na escola. “Estamos vivendo um período como se o mundo estivesse sob nova direção, trazendo diversas mudanças; devemos nos preparar para elas, e para isso as competências são imprescindíveis”, disse.

Partindo desta necessidade, a iniciativa trouxe um olhar especial ao desenvolvimento socioemocional dos professores, que nesses últimos meses precisaram se reinventar e viram toda sua rotina anterior virar de cabeça para baixo. “Estamos muito felizes e emocionados, pois temos a oportunidade de usar este momento histórico para olhar também para o professor e incentivá-lo a trabalhar seu interior, pois eles acolherão os estudantes”, afirmou Cecília Motta, presidente do Consed, na ocasião.

Por meio desta parceria, o Instituto Ayrton Senna ofereceu apoio às secretarias estaduais de educação para que estas multiplicassem informações e práticas em relação às competências, colocando à disposição delas conhecimentos e conteúdos sobre o tema. Com a adesão de 26 estados, a iniciativa se iniciou no mês de julho, tendo o seu encerramento no dia 1 de outubro.

A cada duas semanas, um módulo de conteúdo era criado e disponibilizado pelo Instituto: este conjunto contava com uma live aberta ao público, um material de apoio sobre o tema e uma webconferência exclusiva para os técnicos formadores das redes que aderiram ao projeto, onde todos puderam discutir planos de ação para multiplicar o conhecimento adquirido . Todas as ações e materiais tiveram como base as 5 macrocompetências trabalhadas nas iniciativas do Instituto Ayrton Senna: resiliência emocional, abertura ao novo, autogestão, amabilidade e engajamento com os outros.

Em cada uma das lives, a conversa ao vivo foi mediada por Emílio Munaro, vice-presidente de Desenvolvimento Global e Comunicação do Instituto, contando sempre com a participação de uma especialista da organização e de educadores de redes públicas de ensino que também possuem iniciativas para o desenvolvimento socioemocional: Mato Grosso do Sul, São Paulo, Teresina (PI), Sobral (CE) e Ceará. Além de oferecer protagonismo aos professores, as lives também deram voz aos estudantes, que participaram por meio do envio de vídeos.

Em cada encontro, os participantes também tinham uma surpresa, com o depoimento de algum convidado especial para contar sobre a sua experiência com a competência! Participaram personalidades como o judoca e medalhista olímpico Flávio Canto, a dançarina e coreógrafa Deborah Colker, o velejador Amyr Klink, o filósofo Mário Sergio Cortella e o comunicador e empresário Marc Tawil. No último encontro, sobre a competência de engajamento com os outros, uma educadora que acompanhava a conversa comentou: “Grande aprendizado! Parabéns a todos os envolvidos. Contribuição riquíssima para o nosso trabalho, para a nossa vida! Gratidão!”.

Lançados sempre no mesmo dia das lives, os materiais de apoio, disponíveis a qualquer pessoa interessada, trouxeram informações e conceitos sobre cada uma das macrocompetências. Porém, nada de ficar apenas no mundo das ideias: cada material traz também atividades e dicas práticas para que os professores possam desenvolver essas competências em si mesmos e nos estudantes. Os materiais, disponíveis na página especial no site do Instituto Ayrton Senna, ‘Competências socioemocionais para contextos de crise’ , também trouxeram evidências sobre os benefícios e importância do desenvolvimento de cada uma dessas habilidades. Os documentos também foram disseminados por meio de posts nas redes sociais do Instituto, que traziam informações sucintas sobre cada competência.

Tais materiais serviram de apoio principalmente às webconferências, preparadas exclusivamente para os técnicos e formadores das secretarias selecionados para participar. Cada encontro contou com participantes de todas as regiões do Brasil, além de profissionais do Instituto Ayrton Senna que mediaram os debates e grupos de discussão e tiraram dúvidas dos técnicos e educadores. As webconferências foram lideradas por Silvia Lima, parte do time de formação do Instituto, e também abriram espaço para que os formadores trocassem experiências sobre seus planos de ação para aplicar esses conhecimentos adquiridos com o Volta ao Novo em ações de formação de professores das suas respectivas redes.

Em cada reunião, os técnicos também eram sempre provocados a pensar em como têm desenvolvido essas competências em si mesmos e convidados a refletir sobre como elas poderiam apoiar os educadores das redes também neste período de aulas remotas. A cada encontro, a equipe do Instituto sistematizava as informações, reflexões e planos de ação trazidos e disponibilizava para todos os participantes, promovendo a interação entre eles. No último encontro, os formadores puderam expressar em uma palavra sua experiência com o Volta ao Novo.

Entre as que surgiram, a que mais se destacou foi ‘gratidão’! A educadora e formadora Ceiça Alexandre, representante do Ceará, que já trabalha com as competências socioemocionais na rede, emocionou a todos com o seu depoimento. “Para aqueles que estão começando este trabalho agora, saibam que aos poucos a gente vai conseguindo; hoje em dia, os profissionais da rede são pessoas totalmente transformadas por causa das competências, pois ninguém é mais o mesmo após começar a trabalhar com elas. Hoje o Ceará respira socioemocional”, relatou.