Marketing Relacionado à Causa: como conectar empresas e organizações sociais

5ª edição do Fórum MRC aconteceu no último dia 7 de novembro, na ESPM, em São Paulo, reunindo empresas e organizações sociais para debater ESG.

O 5º Fórum de Marketing Relacionado à Causa, o maior evento sobre o tema no Brasil, aconteceu no último dia 7 de novembro, em São Paulo. O encontro foi realizado pelo Instituto Ayrton Senna, ESPM, Ipsos e Cause, com o apoio do Instituto Mol.

Este ano, o Fórum MRC contemplou discussões sobre ESG (sigla em inglês para Environmental, Social and Governance). Os três pilares (ambiental, social e de governança) tornaram-se fundamentais para a sobrevivência das empresas em um mercado em transformação.

No painel que contou com marcas como Loungerie, Petz e Raia Drogasil, especialistas trouxeram os desafios para sair da teoria e chegar a ações mais táticas. Abordaram a grande responsabilidade das empresas em relação às urgências sociais que estamos vivendo hoje, especialmente em contexto pós-pandêmico.

Os especialistas falaram muito sobre a importância de separarmos o joio do trigo, e que empresas que promovem o bem com ações legítimas de Marketing Relacionado à Causa precisam ser reconhecidas e valorizadas em nossa sociedade. E aquelas que ainda não estão atuando com essas ações também devem ser cobradas por consumidores para tal.

Outro ponto importante debatido foi que os problemas sociais estão postos no país, e as empresas têm a oportunidade de atuar em duas frentes: entender como adotar uma postura frente às demandas e abrir um diálogo com o consumidor final para fazer com que isso tenha algum tipo de impacto concreto por meio de seu apoio.

No entanto, são escolhas caras porque envolvem garantir que toda a cadeia produtiva da empresa também cumpra condições de trabalho dignas e com impactos ambientais menos severos – atitude que cobra um valor. Para os especialistas da mesa, isso não tem mais que ser discutido, tem que simplesmente ser praticado. Por isso, é cada vez mais importante que empresas encontrem causas pelas quais desejam direcionar esforços, que sejam realmente parte de seu propósito e aspiração.

Já no segundo painel do dia, com participação das organizações SOS Mata Atlântica, Pacto Global e Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), discutiu-se sobre atitudes que parecem simples para as empresas, mas geram impacto positivo na vida de milhares de pessoas. Cada especialista contou um pouco sobre como o Marketing Relacionado à Causa impacta nos projetos e o quão importante é advogar pelas causas.

Além disso, mais urgente que divulgá-las é também relevante promover maior conscientização da opinião pública. O propósito deve caminhar lado a lado com o lucro e ser a “estrela guia” para as tomadas de decisão. Neste contexto, os critérios do ESG são “como” as empresas são avaliadas e responsabilizadas por essas escolhas.

Pesquisa da Ipsos aponta necessidade de empresas se comprometerem em gerar impactos reais

Segundo o mais recente relatório Reputation Council 2023, da Ipsos, 55% dos membros dos conselhos administrativos de empresas acreditam que o ESG mudou fundamentalmente a maneira como as organizações operam. O relatório, que traz a visão de líderes do mercado sobre o papel das empresas em áreas como diversidade, sustentabilidade, inclusão e os principais desafios corporativos para o próximo ano, também indicou que 80% dos líderes concordam que não investir em uma agenda ESG impacta diretamente na imagem da marca.

Apesar de esses números demonstrarem um olhar das organizações cada vez mais direcionado ao desenvolvimento humano e à sustentabilidade da vida no planeta, mais de 70% dos líderes também afirmam que muitas empresas usam a linguagem de propósito social sem se comprometerem, de fato, com mudanças reais. Portanto, o grande desafio que se coloca no contexto atual é conseguir unir a estratégia de negócios à pauta ESG.

Esses resultados foram divulgados, com exclusividade, durante o Fórum MRC e estão disponíveis para consulta no site da Ipsos.