A proposta de atrelar práticas de educação integral ao processo de alfabetização em uma perspectiva 360° deve ser vista como respeito à individualidade e às diversidades das crianças para que todas tenham oportunidades de aprender e seguir com sucesso seus estudos. 

A proposta de alfabetização 360°, desenhada pelo Instituto Ayrton Senna, visa a agregar a perspectiva de educação integral ao processo de aquisição das competências leitora e escritora. Isso implica em um trabalho intencional com diferentes dimensões humanas (intelectual, física, socioemocional, comportamental), e em articular a apropriação do sistema de escrita alfabética com o desenvolvimento de competências socioemocionais e múltiplas linguagens. O termo “linguagem” é entendido aqui como meio de interação com o mundo que transforma nossa forma de perceber, sentir e pensar o que está a nossa volta.

Trabalhar com múltiplas linguagens significa desenvolver mecanismos cognitivos e competências socioemocionais que permitem aprender e usar sistemas complexos de comunicação, constituintes e presentes na língua, na matemática, na ciência, nos mundos digital e artístico, na expressão corporal e nas emoções.

Para concretizar esse conceito, o Instituto criou o programa Gestão de Política de Alfabetização, que teve início em 2016 com foco em assegurar que os estudantes do Ciclo de Alfabetização chegassem ao terceiro ano do Ensino Fundamental em condições de alcançar o nível mais alto da escala de proficiência e prosseguir a trajetória escolar com sucesso. O objetivo do programa é que o aluno não esteja simplesmente preparado ao concluir o 3º ano, mas sim para seguir no 4º ano mais confiante e sem enfrentar dificuldades no uso da língua.

O programa Gestão de Política de Alfabetização propõe uma reflexão sobre estratégias pedagógicas que podem ser desenvolvidas como opção para um trabalho integrado com diferentes áreas do conhecimento. Essas estratégias valorizam os saberes e potencialidades apresentados pelos estudantes, os diferentes ritmos de aprender que devem ser considerados e a organização de sequências didáticas, jogos e brincadeiras, entre outras ações. Para a eficácia do processo, a proposta inclui instrumentos gerenciais para a rotina de planejamento, acompanhamento e avaliação.

Juntamente com outros instrumentos e mecanismos de análise e avaliação do desempenho do estudante, um teste diagnóstico, tanto em Língua Portuguesa quanto em Matemática, cumpre a função de identificar o nível de alfabetização de cada aluno, isto é, o que ele já sabe e o que ainda precisa desenvolver para se apropriar do sistema de escrita e da linguagem matemática com a qualidade esperada e desejada. Este diagnóstico é uma ferramenta privilegiada para auxiliar tanto a secretaria de Educação em seu plano de ação, quanto os coordenadores pedagógicos e professores na elaboração do planejamento das aulas compatível com o nível de alfabetização dos estudantes.

O ensino direcionado à diversidade de conhecimentos da classe e às necessidades individuais de aprendizagem dos alunos exige uma estratégia organizativa e curricular mais flexível para o planejamento das aulas. Os diferentes momentos de trabalho com agrupamentos flexíveis podem envolver todos os estudantes numa mesma atividade, mas com níveis diferentes de complexidade, ou lançar mão de atividades diversificadas direcionadas a um aluno apenas ou a um grupo específico de alunos. Essas organizações dos alunos para a execução das tarefas se tornam dinâmicas e flexíveis à medida que a turma avança ou do tipo de atividade proposta. A estratégia envolve a necessidade de um professor de apoio e a criação de materiais complementares para atividades integradoras das diversas áreas do conhecimento.

O trabalho do professor de apoio em classes de alfabetização é importante para a realização de atividades como as de agrupamentos flexíveis, pois enquanto ele atende aos estudantes que não apresentam maiores dificuldades, o professor regente pode dedicar tempo e atenção àqueles que apresentam dificuldades devidamente identificadas.

Trata-se da organização de atividades didáticas que facilitem a integração das diferentes áreas do conhecimento, em uma abordagem que privilegia a aprendizagem colaborativa e o desenvolvimento de diferentes habilidades cognitivas e socioemocionais. As atividades incluem projetos de ensino, jogos e brincadeiras e envolvem aprofundamentos conceituais com enfoque em leitura e produção de textos, incluindo o trabalho com múltiplas linguagens.

A eficácia do programa Gestão de Política de Alfabetização é garantida pelo gerenciamento de sua implementação e execução por meio de um processo de monitoramento de indicadores acompanhados ao longo do ano, desde a sala de aula até a secretaria de Educação.

O Instituto Ayrton Senna oferece às redes de ensino a possibilidade de uso de um sistema de informação próprio (Sistema Panorama), operado via web, que permite o monitoramento dos indicadores a partir da inserção mensal de dados coletados pelas equipes das secretarias de Educação, que geram relatórios dinâmicos da situação dos indicadores selecionados.

A análise das informações apontadas pelos indicadores deve sempre se reportar às metas estabelecidas, com o objetivo de identificar os pontos fortes, que podem vir a ser socializados, e os pontos frágeis, aqueles que podem comprometer os resultados caso não sejam rapidamente enfrentados e superados por planos de intervenção eficazes.

PARA CONHECER MAIS E MELHOR

PARA CONHECER MAIS E MELHOR

Compartilhar e disseminar conhecimento fazem parte da missão do Instituto Ayrton Senna. Por isso, reunimos a seguir alguns materiais produzidos pelas equipes do Instituto como um modelo inspirador para educadores e gestores públicos que se aliam aos compromissos da sociedade para com o direito ao desenvolvimento integral dos milhões de alunos matriculados nos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Guia Educação Integral na Alfabetização

O Instituto Ayrton Senna preparou o Guia Educação Integral na Alfabetização como instrumento de apoio para educadores e gestores comprometidos em praticar a educação integral intencionalmente no período de alfabetização. Esse guia reúne conhecimentos, evidências e práticas que podem colaborar para a construção de políticas públicas de alfabetização. Acesse aqui!

Caderno sobre Gestão de Política de Alfabetização

O Instituto Ayrton Senna desenvolveu o programa Gestão de Política de Alfabetização para colaborar na elaboração de políticas públicas de alfabetização. Baseada no conceito de educação integral e comprometida com a promoção do desenvolvimento efetivo e pleno dos estudantes matriculados no Ciclo de Alfabetização, a proposta possibilita ampliar as oportunidades de sucesso para a continuidade da vida escolar de milhões de crianças brasileiras e contribui para a promoção da equidade social.

O documento abaixo sistematiza esse conhecimento e dá subsídios para a construção da política pública de alfabetização.