publicado em 19 de agosto de 2021

10 dicas para o retorno presencial às escolas

Materiais e conteúdos preparados pelo Instituto Ayrton Senna podem ajudar gestores e educadores brasileiros a lidar com o retorno escolar

Depois de um longo período de aulas remotas e de ensino híbrido, as escolas brasileiras começam a se preparar para um retorno presencial expressivo. O período é de mudanças e de incertezas para gestores e educadores, que enfrentaram desafios pessoais e profissionais durante o isolamento social, e que sabem que os próximos meses ainda trarão situações novas ou que demandem um novo foco e respostas muito eficientes.

Sob esse ponto de vista, o retorno presencial carrega consigo a necessidade de rever e adaptar ações de gestão, práticas pedagógicas e estratégias de acolhimento. Com o aumento no volume de informações disponíveis para diversas abordagens nessas três esferas, nem sempre é fácil lembrar ou identificar aquilo que mais se relaciona com a necessidade atual, ou mesmo resgatar conhecimentos que podem ser ainda mais úteis agora.

Pensando nisso, preparamos uma lista de 10 dicas e materiais já produzidos pela equipe do Instituto Ayrton Senna, a partir de uma curadoria para apoiar você, educador ou gestor, nesse momento!

 

    1.    Revisão de currículos

Lidar com a defasagem da aprendizagem durante o ensino remoto e com a evasão escolar é uma das tarefas mais desafiadoras do retorno presencial, o que requer uma atenção especial na adaptação dos currículos para essa realidade. Com nossa expertise em programas de readequações curriculares para os anos iniciais do Ensino Fundamental, preparamos um material de indicações de revisão e com sugestões para o trabalho com múltiplas linguagens e planos de trabalho docente, alinhados à BNCC. Confira!

 

    2.     Acolhimento

Algumas práticas podem facilitar o acolhimento dos estudantes e ajudá-los a lidar com o retorno presencial depois de tantos meses de afastamento e em meio às dificuldades pessoais enfrentadas nesse período. Preparamos um material com estratégias de acolhida após o isolamento e também orientações sobre a relação entre o retorno e as competências socioemocionais.

 

    3.    Desenvolvimento de competências prioritárias

O desenvolvimento socioemocional deve ser feito de forma integral, mas não é eficiente tentar trabalhar intencionalmente todas as competências ao mesmo tempo. Por isso, nesse momento, pode ser interessante priorizar aquelas que são mais relevantes para o retorno presencial e preparamos para você ideias para o desenvolvimento de competências de todas as macrocompetências socioemocionais: Resiliência emocional, Abertura ao novo, Autogestão, Amabilidade e Engajamento com os outros.

 

    4.    Alfabetização

Com o isolamento, a alfabetização e a cultura de gestão são temas que chamam atenção pela necessidade de adequar o tempo disponível às necessidades de aprendizagem dos estudantes. Considerando esse cenário e a relevância de uma alfabetização que agregue a educação integral à competência de leitura e escrita do estudante, vale a pena conferir nosso material de estratégias de alfabetização 360°.

 

    5.     Gestão eficiente

A gestão escolar brasileira tem novos desafios para atender às necessidades educacionais com equidade e no ritmo necessário, o que foi reforçado no período de isolamento social. A administração de processos e ações pode ganhar mais força ao incorporar a ideia de que desenvolvimento integral deve ser de todos – estudantes, educadores e colaboradores. Atender a essa demanda e otimizar esse processo envolve esforços de diferentes áreas, bem como o apoio de diferentes ferramentas e estratégias. O Guia de Gestão Eficiente aborda esses pontos e é uma excelente leitura para gestores escolares de todo o país.

 

    6.    Integração com a Base

Desenhar e implementar um currículo voltado para a educação integral e que atenda às necessidades específicas de cada região e escola é um passo importante para garantir qualidade ao processo de desenvolvimento de todos os estudantes, o que precisa estar ancorado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Nosso guia BNCC foi desenvolvido com o objetivo de apoiar os educadores brasileiros nessa tarefa e pode facilitar o trabalho nesse período de transformações ágeis. Confira também nosso material que mostra como as competências socioemocionais integram as dez competências gerais da Base.

 

    7.     Práticas

Que tal ter em mãos propostas de atividades que podem ser feitas em casa ou em sala de aula e que promovam o desenvolvimento de competências socioemocionais? Nossa área de Educação preparou um material com esse foco para apoiar os educadores, com atividades para Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio. Acesse!

 

    8.    Formação

O acesso à formação continuada gratuita e de qualidade é fundamental para que os educadores brasileiros possam se aperfeiçoar quando identificarem essa necessidade. Por isso, idealizamos e disponibilizamos quatro cursos gratuitos e certificados para apoiar nessa necessidade. São eles: Socioemocional para Educadores (com três nanocursos: Curso Resiliência e Bem-Estar Emocional; Curso Abertura ao Novo e Autogestão para criar meus projetos; Curso Amabilidade e Engajamento com os Outros nas minhas relações); Curso Criatividade e Pensamento Crítico na Escola; Curso Educação Integral (em atualização, estará disponível em breve); e o Curso Competências Socioemocionais na Escola.

 

    9.    Desafios do docente

O papel do educador na realidade atual é de grande importância e ganha novos contornos, como mediador do conhecimento e do desenvolvimento pleno dos estudantes, o que pode ser bastante desafiador para a profissão, e precisa ser levado em conta nas políticas públicas relacionadas. O livro “Desafios da profissão docente”, de Fernando Luiz Abrucio e Catarina Ianni Segatto, organizado pelo Instituto Ayrton Senna, Instituto Península e Fundação Santillana, aborda esse tema a partir da experiência brasileira e internacional, e está disponível para leitura gratuita no site do Instituto.

 

    10.    Família

O apoio da família também é fundamental para os estudantes e, nesse sentido, preparamos também insumos para que familiares e cuidadores possam auxiliar crianças e jovens nesse momento.