Educação Integral para o Ensino Médio (SC)

A iniciativa

Todo jovem tem o poder de perseguir seus sonhos e mudar realidades. Só é preciso que tenha a oportunidade de desenvolver todos os seus potenciais. Construída em parceria com jovens, educadores, gestores e pesquisadores, esta proposta de Educação Integral no Ensino Médio permite aos estudantes desenvolverem as competências cognitivas e socioemocionais necessárias para viver no século 21, realizar seus projetos de vida e construir um mundo melhor.

Como funciona

Inspirada na Proposta de Educação Integral para o Ensino Médio no Rio de Janeiro, a iniciativa é desenvolvida em parceria com a Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina, com apoio do Instituto Natura, da Capes, do Movimento Santa Catarina pela Educação, do BID e da FIESC (Federação das Indústrias de Santa Catarina). Esta proposta engloba o suporte à Secretaria para a elaboração de modelos de currículo, formação, acompanhamento e avaliação voltados para a promoção da educação integral. Esses modelos são validados e aprimorados em escolas da rede, onde educadores e estudantes se tornam coautores das soluções desenvolvidas. 

Resultados

Desde 2017, a parceria vem promovendo o desenvolvimento integral dos estudantes de Santa Catarina e abrindo caminhos para resultados promissores. Em monitoramento realizado pelas equipes, foi identificado que, nas escolas com a proposta, os estudantes tiveram desempenho 12,3% superior em Língua Portuguesa e 9,4% em Matemática em comparação com escolas que não tiveram a parceria, além de taxa de aprovação 18% superior nos dois casos.

Proposta de Educação Integral para o Ensino Médio

Santa Catarina

Tendo como premissa a educação integral e o desenvolvimento de competências para o século 21, a proposta oferece oportunidades para os estudantes se desenvolverem com autonomia. Nas escolas catarinenses onde vem sendo realizada, as aulas acontecem em período integral segundo modelo proposto pela Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina

Em 2017, foram 15 escolas estaduais parceiras, número que foi ampliado para 30 em 2018. Para a implementação, a rede de ensino e as escolas que aderiram ao modelo pedagógico participaram ativamente de mudanças no currículo e ambiente escolar.

Saiba mais sobre a proposta

Nas escolas, além de contar com novos componentes de aprendizagem, as equipes trabalham com práticas que potencializam o papel do professor como mediador do conhecimento e com ações integradas como o planejamento por área de conhecimento. No âmbito da rede de ensino, foram construídos novos modelos de gestão, formação, acompanhamento e avaliação. Professores e gestores participam, ao longo de todo o ano, de formações presenciais e a distância.

As metodologias de ensino usadas visam incentivar os jovens a desenvolver competências consideradas importantes para o século 21, como resolução de problemas, responsabilidade, comunicação, abertura para o novo e criatividade. O objetivo é oferecer oportunidades para os estudantes se desenvolverem com autonomia, e tem como premissa uma matriz de competências e conceito de educação integral que prevê a ampliação do tempo na escola, mas não se restringe a essa condição.

O desenvolvimento destas competências se dá de forma integrada à aprendizagem dos conteúdos de português, matemática, história, entre outros, por meio de desafios e questões do mundo real, nos quais os jovens colocam em prática habilidades que terão que usar dentro e fora da escola. 

Desde 2017, a parceria vem promovendo o desenvolvimento integral dos estudantes de Santa Catarina e abrindo caminhos para resultados promissores. Em monitoramento realizado pelas equipes, foi identificado que, nas escolas com a proposta, os estudantes tiveram desempenho 12,3% superior em Língua Portuguesa e 9,4% em Matemática em comparação com escolas que não tiveram a parceria, além de taxa de aprovação 18% superior nos dois casos.

Como a iniciativa funciona

Para receber a proposta de Educação Integral para o Ensino Médio, a rede de ensino e as escolas que aderiram ao modelo pedagógico participaram ativamente de mudanças no currículo e ambiente escolar. A proposta pedagógica recebeu novos componentes de aprendizagem e as escolas passaram a trabalhar com práticas que potencializam o papel do professor como mediador do conhecimento. No âmbito da rede de ensino, foram construídos novos modelos de gestão, formação, acompanhamento e avaliação. Professores e gestores participam, ao longo de todo o ano, de formações presenciais e a distância.

Parte das atividades são realizadas em projetos nos quais os estudantes colocam em prática o que aprenderam sobre as disciplinas e também conhecimentos sobre como trabalhar com seus pares, superar desafios, solucionar problemas práticos e ampliar as possibilidades para além da sala de aula.

O desenvolvimento de competências como responsabilidade, abertura para o novo, criatividade, pensamento crítico, entre outras, são o foco do processo de ensino-aprendizagem considerados na proposta. 

Documentos

Mostrar mais informações